ser-para-a-morte

Heidegger - ser-para-a-morte

"Uma interpretação ontológica do ser-aí só pode ser originária se assentar sobre a totalidade desse ente. O ser-aí deve então ser acessível como uma totalidade. Ora, esta empresa parece votada ao fracasso, pois que o ser-aí, enquanto cuidado, está perpetuamente face a ele próprio, e está, portanto, em constante falta de acabamento. Heidegger mostra entretanto que o ser-aí pode tornar-se total, sem deixar, por isso, de ser o ser-aí que ele é, na «antecipação» Vorlaufen) da morte.