hermenêutica

Cada língua pode dizer tudo - Gadamer

"Talvez êste livro somente seja compreendido por quem já tenha cogitado por si próprio os pensamentos aqui expressos, ou ao menos cogitado pensamentos semelhantes. Não é, pois, um manual. Terá alcançado seu objetivo se agradar a quem o ler com atenção.Trata de problemas filosóficos e mostra, creio eu, que o questionar dêsses problemas repousa na má compreensão da lógica de nossa linguagem. Poder-se-ia apanhar todo o sentido do livro com estas palavras: em geral o que pode ser dito, o pode ser claramente, mas o que não se pode falar deve-se calar. Pretende, portanto, estabelecer um limite ao pensar, ou melhor, não ao pensar mas à expressão do pensamento, porquanto para traçar um limite ao pensar deveríamos poder pensar ambos os lados dêsse limite (de sorte que deveríamos pensar o que não pode ser pensado). O limite será, pois, traçado úricamente no interior da língua; tudo o que fica além dêle será simplesmente absurdo."

Ludwig Wittgenstein, "Tractatus Logico-Philosophicus"

 

"Como se faz a experiência do mundo? Não é sempre através da linguagem que nos aproximamos dos fatos e não é a linguagem que preforma todas as possibilidades de interpretar os resultados de nossas observações? Se é verdade que a linguagem é tão decisiva em nossa abordagem das coisas, talvez se ache que isso coloca em perigo o valor de nosso conhecimento do mundo. Mas eu acho que se subestimam nesse caso as possibilidades da linguagem; o relativismo de que se suspeita ao se considerar a variedade e a multiplicidade das línguas parece algo muito fictício. Existe o fenômeno da tradução, sabe-se aprender uma língua estrangeira, utilizá-la e empregar vários esquematismos lingüísticos, e não se pensa de forma alguma em perder algo ao se mergulhar numa nova língua. Ao contrário, percebe-se que tudo se torna mais vasto, mais amplo, que tudo é novo e é por isso que é interessante e instrutivo. A teoria que permite descrever esse resultado é a teoria da hermenêutica. Isso significa que cada língua oferece a possibilidade de dizer tudo. E é por isso que cada língua não é absolutamente uma limitação de nossa experiência e é apenas um intermediário que nos aproxima das coisas. Decerto é sempre uma aproximação um tanto limitada, mas é possível mudar de perspectiva, é possivel nos aproximarmos de um outro ponto de vista numa outra língua etc. Por isso o caso da hermenêutica é fundamental e não se limita a uma questão de metodologia das ciências. Pois aproximar-se do mundo pela linguagem não é típico das ciências humanas, mas da situação humana em geral. Para explicar essa situação, deve-se naturalmente examinar todas essas formas, todas essas possibilidades da linguagem e acho que existe aqui uma aproximação muito fértil, que ainda não é utilizada suficiente, entre a língua cotidiana na Inglaterra e nossa análise da tradição continental."

(Gadamer, "A arte de compreender")